Contos

A Pescaria dos Robalos

Saímos de Ariri, pequeno lugarejo que pertence ao Município de Cananéia, litoral sul de São Paulo, meu piloteiro Dola e eu, nosso destino era a Ilha das Peças, no litoral do Paraná.

A Ilha das Peças é um dos mais ricos santuários ecológicos do Brasil possui restingas, manguezais, uma exuberante vegetação da Mata Atlântica, uma única praia de quase 03 quilômetros que corta o sul da ilha e é povoada por várias espécies de animais, alguns raros, como é o caso: do jacaré de papo amarelo, o mico leão de cabeça preta, o papagaio de cara roxa – conhecido como chauá – as onças pardas e as pintadas, o aracuã, o jaó do litoral e o gavião pomba.

Na Ilha das Peças moram, aproximadamente, 400 pessoas em sua maioria pescadores e artesões que confeccionam lindas peças em madeira, tais como: gamelas, rabecas, tamancos, bancos, cestos, chapéus e muito mais, daí o nome Ilhas das Peças.

Hospedamos-nos na casa de meu amigo Teodora Dias para pescarmos na boca da Barra, em frente a Ilha do Mel, litoral do Paraná.

O poço dos robalos grandes como é conhecido o melhor ponto de pesca do local é freqüentado por ótimos pescadores: João Grande, Paulo Japonês, Rosalino todos de Porto Cubatão – Cananéia.

Lá estávamos apoitados na barra, no anzol camarão vivo, a primeira ferrada foi do Dola, um linguado de uns 06 quilos. A segunda fisgada foi minha, um robalo de 08 quilos. O dia estava ganho, já dava pro almoço.

Na volta mergulhamos na Pedra Grande e catamos algumas dúzias de ostras. Depois apoitamos no baixio e catamos um saco do marisco berbigão. Aí sim, o cardápio estava completo.

Para nossa surpresa ao chegarmos ao Bar do Teodoro encontramos o Paulinho Rangel, Luizinho Rangel, Juarez Rangel, Nazareno, Norberto e o Caio Japonês todos de Ariri.

Teodoro fez os peixes fritos, arroz com berbigão e ostras gratinadas com parmesão.

Após o almoço jogamos uma trucada e quando anoiteceu acendemos uma fogueira e rolou uma catira regada a cataia.
Que fantástico! Luizinho na sanfona, Paulinho na rabeca, Juarez na cuíca, Caio no pandeiro, Norberto no reco- reco, eu no surdão. Nazareno cantava e Teodoro sapateava dançando a catira com sua mulher.

A Festa foi até o amanhecer! Saudades Ilha das Peças.

Fim.
---------------------------------xxxxxx-------------------------------------

Este conto de autoria de Oriel Ballan que escreve para a Coluna Velho Ballan – Causos & Histórias do Jornal Pesca Brasil que depois de muitas edições passou a chamar-se Jornal do Sartorato.

Autor: Oriel Ballan

  • Ariri-SP (Cidade vizinha de Ararapira-PR)
  • Coreto e Catedral de Iguape - SP
  • Interior da Igreja de Cananéia - SP
  • Porto de Embarque de Cananéia - SP
  • Ilha da Peças - Litoral do Paraná
  • Mata Atlântica -  Cume do balança visto do rosario
  • Ilha do Mel - Praia Grande (Litoral do Paraná)